Serviços jurídicos: mais um benefício para cooperados COAPH

Para tirar qualquer dúvida que você, cooperado, tenha em relação a seus direitos e deveres para com a COAPH, nós disponibilizamos uma consultoria completa em serviços jurídicos.

O advogado Márcio Chaves, assessor jurídico da COAPH pode auxiliar você em assuntos pertinentes às mais diversas áreas do direito, como Direito Civil, Direito Comercial, Direito Tributário, entre outros.

Caso você deseje contar com esse serviço, é só agendar um horário diretamente com o nosso SAC, por meio do telefone (85) 3038-1234.

Quer saber mais? Assista ao vídeo em que Márcio Chaves conta um pouco mais sobre a consultoria:

Para dúvidas ou informações, entre em contato conosco também pelo e-mail coaph@coaph.com.br

Ainda mais segurança e clareza para o seu trabalho. Somos mais que um. Somos COAPH!

LEIA AQUI
LEIA AQUI

Confira a lista de aprovados no NEP

O Núcleo de Educação Permanete (NEP), que tem como objetivo o desenvolvimento profissional dos cooperados da COAPH, ganhou novos membros. Confira os nomes dos aprovados no nosso processo seletivo:

Monitores

– Rafael Alves Ferreira 

– Daniel Bruno dos Reis 

Instrutores
– Claudia Regina de Castro Lima 
– Denilson Félix Teixeira dos Anjos 
– Mário Gustavo Lúcio 

Parabéns, pessoal!

LEIA AQUI

Veja como foi a V Jornada Científica da COAPH

A COAPH – Cooperativa de Atendimento Pré & Hospitalar gostaria de ter a honra de sua presença, prestigiando nossos eventos especiais.

Nossa Cooperativa conta com médicos, enfermeiros e diversos outros profissionais da saúde e tem como propósito qualificar e humanizar os serviços pré-hospitalares em todo o Brasil.

Confira abaixo as imagens da V Jornada Científica, evento promovido pela COAPH:

LEIA AQUI

Lista de trabalhos aprovados para apresentação em pôster

Acompanhe a lista completa dos Trabalhos Científicos aprovados para apresentação na V Jornada Cientifica COAPH:

  1. ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO PACIENTE COM SEQUELAS DE ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA.
  2. RELATO DE EXPERIÊNCIA: A IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA HEMOTRANSFUSÃO.
  3. RELATO DE EXPERIÊNCIA: CUIDADOS EM CURATIVOS DE LESÕES ONCOLOGICAS
  4. PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A ADESÃO AO PREENCHIMENTO COMPLETO DA FICHA DURANTE O ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR
  5. A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DURANTE A PASSAGEM DE SONDA VESICAL DE DEMORA: RELATO DE EXPERIÊNCIA
  6. CONSTRUÇÃO DE UMA PRÁXIS EDUCATIVA EM SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA PARA COMPREENSÃO DO EXAME FÍSICO: PRÁTICA DOCENTE À GRADUAÇÃO DE ENFERMAGEM
  7. INTERCÂMBIO INTERNACIONAL E VIVÊNCIA NO PRÉ-HOSPITALAR DE ROEUN, NA FRANÇA: CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENFERMAGEM
  8. PUNÇÃO DE CATETER DE INSERÇÃO PERIFERICA CENTRAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA
  9. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA NA SALA DE PARADA A UM PACIENTE COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E NEOPLASIA PULMONAR: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA
  10. QUALIFICAÇÃO EM SUPORTE BÁSICO DE VIDA PARA PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM, NA REGIÃO DO VALE DO JAGUARIBE/CE
  11. RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE EDUCAÇÃO CONTINUADA NO SERVIÇO DE NEFROLOGIA
  12. RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA HEMODIÁLISE NUMA URGÊNCIA DE HIPERCALEMIA
  13. RELATO DE EXPERIÊNCIA: ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICORDIA DE FORTALEZA
  14. A IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO SOBRE PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA PARA ESTUDANTES O ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA
  15. NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR MÓVEL: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO
  16. PERCEPÇÕES DE ACADÊMICAS DE ENFERMAGEM SOBRE A CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO
  17. EXPERIÊNCIA DE ACADÊMICAS DE ENFERMAGEM NA CONFERÊNCIA DOS EQUIPAMENTOS DA SALA DE REANIMAÇÃO
  18. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE VÍTIMA DE TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR: RELATO DE EXPERIÊNCIA.
  19. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA A CRISE CONVULSIVA NA INFÂNCIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA.
  20. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO ÂMBITO PRÉ-HOSPITALAR AO PACIENTE COM AVE: RELATO DE EXPERIÊNCIA
  21. ATUAÇÃO ACADÊMICA NA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRAUMA RAQUIMEDULAR
  22. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM NEOPLASIA ESOFÁGICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA/INTERVENÇÕES
  23. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM SALA DE PARADA A UM PACIENTE TABAGISTA COM SEPSE DE FOCO PULMONAR E DERRAME PLEURAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA
  24. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA A PACIENTE PORTADO DE DIABETES MELLITUS TIPO II COM LESÃO TRAUMATICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA/INTERVENÇÕES
  25. SIMULAÇÃO CLÍNICA REALÍSTICA COMO INSTRUMENTO PARA CAPACITAÇÃO EM SUPORTE BÁSICO DE VIDA (SBV) PARA LEIGOS: INICIATIVA NEP SAMUFOR
  26. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA A PACIENTE PORTADO DE DIABETES MELLITUS TIPO II COM LESÃO TRAUMATICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA/INTERVENÇÕES
  27. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ACOMETIDO POR TRANSTORNO BIPOLAR
  28. RELATO DE EXPERIÊNCIA: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES GASTROSTOMIZADOS
  29. IMPLANTAÇÃO DO TIME DE RESPOSTA RÁPIDA DE ENFERMAGEM; SIMULAÇÃO REALISTICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA
  30.  PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A ADESÃO AO PREENCHIMENTO COMPLETO DA FICHA DURANTE O ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR.
  31. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE NO PÓS-OPERATÓRIO DE LOBECTOMIA PULMONAR: RELATO DE EXPERIÊNCIA
  32. ENSINO DE SUPORTE BÁSICO DE VIDA PEDIÁTRICO E MANEJO DO OVACE PARA PROFISSIONAIS DO NUTEP EM FORTALEZA-CE
  33. TRABALHO DE RESGATE VOLUNTARIO PRÉ-HOSPITALAR EM UM EVENTO RELIGIOSO: RELATO DE EXPERIÊNCIA.
  34. CONDutas e cuidados de enfermagem ao paciente com dor torácica:relato de experiência
  35. LIGA ACADÊMICA DE MEDICINA DE EMERGÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE EXTREMA RELEVÂNCIA NA FORMAÇÃO MÉDICA.
  36. RELATO DE EXPERIÊNCIA DE OFICINA TEÓRICO-PRÁTICA DE SBV LACTENTE E PEDIÁTRICO PARA ACADÊMICOS DE MEDICINA NO XXX OUTUBRO MÉDICO
  37. SIMULAÇÃO REALÍSTICA COMO METODOLOGIA DE ENSINO EM ENFERMAGEM NAS EMERGÊNCIAS TRAUMÁTICAS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA.
  38. DESENVOLVIMENTO DA SIMULAÇÃO IN SITU A CERCA DO SUPORTE AVANÇADO DE VIDA EM CARDIOLOGIA

A V Jornada Cientifica acontecerá entre os dias 13 e 14 de dezembro de 2018 no Ponta Mar Hotel.

Inscreva-se!

LEIA AQUI
LEIA AQUI

COAPH – 9 Anos

Aniversário de 09 anos da COAPH, para todos os cooperados de todas as bases e cidades.

Estamos preparando uma semana incrível para comemorar nosso aniversário.

Confira as atrações confirmadas:

Tauá
Data: 21/09/18
Horário: 19h
Local: Peixada do Sertão

Limoeiro / Russas
Data: 22/09/18
Horário: 11h
Local: Sítiu do Bibiu

Juazeiro
Data: 22/09/18
Horário: 14h 30
Local: Sirigado AABB

Quixadá
Data: 29/09/18
Horário: 09h 30
Local: Vale das Pedras
Não é só isso:
tem muito mais vindo por aí!

Em breve, você vai saber mais!

LEIA AQUI
LEIA AQUI

OMS coloca bacon, linguiça e salsicha na lista de alimentos cancerígenos

OMS coloca bacon, linguiça e salsicha na lista de alimentos cancerígenos

O consumo de produtos como salsicha, linguiça bacon e presunto, aumenta o risco de câncer do intestino em humanos, afirma um novo relatório da OMS (Organização Mundial da Saúde) publicado nesta segunda-feira (26). De acordo com o documento, a carne processada é um fator de risco certo para a doença, e carnes vermelhas de um modo geral são um fator de risco “provável”.

As canes processadas foram colocadas na lista do grupo 1 de carcinogênicos – que já inclui tabaco, amianto e fumaça de diesel – para os quais já há “evidência suficiente” de ligação com o câncer. O relatório foi feito pela IARC (Agência Internacional de Pesquisa do Câncer), órgão ligado à OMS.

Risco de câncer
“Para um indivíduo, o risco de desenvolver câncer colorretal em razão do consumo de carne processada permanece pequeno, mas esse risco aumenta com a quantidade de carne consumida”, afirmou Kurt Straif, chefe de programa Monographs, do IARC, que avalia riscos para o câncer.

Um estudo de meta-análise — que avaliou diversos outros estudos– estima que cada porção diária de 50 gramas de carne processada aumente o risco de câncer colorretal em 18%. Esse tipo de câncer é hoje o segundo mais diagnosticado em mulheres e o terceiro em homens, e está matando 694 mil pessoas por ano (segundo dados de 2012 da OMS, os mais recentes).

A carne vermelha – grupo dentro da qual estão tecido muscular de boi, porco, carneiro, bode e cavalo – foi classificada como um carcinógeno (produto capaz de provocar câncer) “provável” e entrou na lista do grupo 2A, que contém o glifosato, princípio ativo de muitos herbicidas.

A definição do IARC para carne processada inclui produtos “transformados por salgamento, curagem, fermentação, defumação e outros processos para realçar sabor ou melhorar a preservação”, afirma um artigo publicado por cientistas do IARC na revista médica “The Lancet”, que acompanhou a divulgação do novo relatório.

Carne vermelha
“Essas descobertas dão mais suporte às recomendações sanitárias atuais para limitar o consumo de carne”, afirmou Christopher Wild, diretor do IARC.

“Ao mesmo tempo, a carne vermelha tem valor nutricional”, afirmou o médico, sugerindo que as novas recomendações não sejam encaradas de maneira alarmista. “Esses resultados, então, são importantes para permitir governos e agências regulatórias internacionais para conduzirem avaliações de risco, de modo a equilibrar riscos e benefícios de comer carne vermelha ou processada e para fornecer as melhores recomendações diárias possíveis.”

“A maior parte das carnes processadas contém carne de porco ou boi, mas também pode conter outras carnes vermelhas, frango, carne de segunda (fígado, por exemplo), ou subprodutos da carne, como o sangue”, afirma o artigo.

A classificação mais branda para a carne vermelha é reflexo de “evidências limitadas” de que ela causa câncer. O IARC descobriu ligações principalmente com o câncer de intestino, mas também observou associações com tumores no pâncreas e na próstata, afirmou.

Fonte: g1.globo.com
Link: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2015/10/oms-coloca-carne-processada-na-lista-de-alimentos-cancerigenos.html

LEIA AQUI

Com 1,4 milhão de casos em todo Brasil, dengue bate record

O recorde anterior, de 2013, era de 1.452.489 pessoas infectadas

Depois de registrar recorde de mortes por dengue no ano, o País acaba de alcançar em 2015 também o maior número de casos notificados da doença desde 1990, quando as estatísticas começaram a ser monitoradas.

Segundo o mais recente boletim epidemiológico de dengue do Ministério da Saúde, foram 1.463.776 casos prováveis da doença registrados de 4 de janeiro até 26 de setembro no Brasil.

O recorde anterior, de 2013, era de 1.452.489 pessoas infectadas.

O número, de acordo com o ministério, é quase o triplo do registrado no mesmo período do ano passado, quando 524.441 pessoas ficaram doentes.

De acordo com o boletim, a alta de registros foi puxada pelo Sudeste, que concentra 64% dos casos. Os quatro Estados da região somaram 937.599 pessoas infectadas.

Em todo o Brasil, 18 Estados registram nível epidêmico da doença ou seja, quando o número de casos por 100 mil habitantes é superior a 300. Só estão fora dessa estatística Piauí, Roraima, Sergipe, Maranhão, Amazonas, Rondônia, Pará, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Neste último, o clima frio atrapalha a reprodução do mosquito Aedes aegypti e o índice de incidência da dengue é o menor do País: 14,5 casos por 100 mil habitantes.

Na outra ponta do ranking, de Estados com as mais altas taxas de incidência da doença, estão Goiás, com 2.120 casos por 100 mil habitantes, e São Paulo, cujo mesmo índice chegou a 1.561. Entre as capitais com as maiores taxas da doença estão Fortaleza, Maceió, Salvador, Rio e Belo Horizonte.

Embora o pico da doença no ano já tenha passado — ele ocorre geralmente entre os meses de abril e maio —, a tendência é que, com a volta das altas temperaturas, o número de casos cresça. Já estão em tendência de alta os Estados do Acre, Roraima, Paraná e Santa Catarina.

Casos graves

Os casos graves de dengue e as mortes por complicações da doença também aumentaram em relação ao ano passado. Segundo o boletim, 1.350 pessoas desenvolveram a forma mais severa da dengue até setembro. O número representa quase o dobro do registrado no mesmo período do ano passado: 693 pessoas.

Nos nove primeiros meses do ano, 739 pessoas morreram de dengue no País, número 75% maior do que o notificado no mesmo período de 2014.

O Ministério da Saúde afirma que fez, em dezembro de 2014, repasse adicional de R$ 150 milhões para Estados e Municípios reforçarem as ações de prevenção. Diz ainda ter feito visitas técnicas nos Estados para auxiliar nos planos de contingência contra a doença.

Fonte: noticias.r7.com
Link: http://noticias.r7.com/saude/com-14-milhao-de-casos-em-todo-brasil-dengue-bate-recorde-27102015

LEIA AQUI